Ataque ao ônibus do Fortaleza com bombas e pedras em Recife

Jogo entre o Sport “e” o Fortaleza,  termina em empate por 1×1 na noite de quarta-feira (21) pela Copa do Nordeste. O Jogo foi em São Lourenço da Mata (PE), o ônibus da delegação da equipe cearense foi alvo de um ataque com bombas e pedras. Como resultado, seis jogadores ficaram feridos “e” precisaram ser levados ao hospital.

A descrição do caso

Logo após o jogo o Fortaleza deixa a Arena Pernambuco. Antes disso, o processo de liberação ocorreu normalmente, com a entrevista coletiva do técnico Juan Pablo Vojvoda.

O ônibus seguia pela BR-408 até chegar na BR-232 rumo ao centro do Recife, “porque” o clube estava hospedado em um hotel da cidade.

O veículo foi alvo de pedras e bombas no bairro Curado, localizado a cerca de 7 km do estádio e já na região oeste da capital pernambucana. Até o momento, as autoridades não conseguiram deter ninguém. Os suspeitos são membros de uma torcida organizada do Sport, e existe um vídeo que captura alguns indivíduos planejando o ataque antes do jogo.

Tanto janelas quanto bancos do ônibus foram completamente destruídos. Pelo menos seis jogadores do Fortaleza foram feridos, incluindo o goleiro João Ricardo, o lateral-esquerdo Escobar, o lateral-direito Dudu, os zagueiros Titi e Brítez, e o meio-campista Sasha. Todos eles foram prontamente encaminhados ao Hospital Português para tratamento médico. João Ricardo e Escobar, em particular, precisaram passar por procedimentos de sutura devido à gravidade de seus ferimentos.

 

 

A delegação chegou ao Ceará na manhã do dia 23 e o Fortaleza não pretende entrar em campo até que os atletas se recuperem.

O clube tem um compromisso agendado para quinta-feira (29), pela Copa do Brasil, contra o Fluminense-PI, fora de casa.

O que fala Marcelo Paz e o CEO do Fortaleza sobre o ocorrido.

.A reação do Fortaleza “é” de firmeza “e” indignação diante do ocorrido. O presidente do clube, Marcelo Paz, expressa sua preocupação com a situação dos jogadores afetados. “E” a evidente necessidade de punição para os responsáveis pela agressão. Ele destaca os danos emocionais, físicos “e” técnicos sofridos pelos atletas, evidenciando a gravidade da situação. Fortaleza afirma “que”, jogadores só voltam a campo devidamente recuperados. . Ambos ressaltam a importância da punição como forma de evitar futuros ataques e reforçam a intolerância com a impunidade, “que” poderia incentivar novos crimes. Esta postura demonstra a determinação do Fortaleza em defender seus jogadores “e” combater a violência no futebol.

Incômodo no Spot Club

O Sport Club do Recife repudia veementemente os atos de violência perpetrados contra o ônibus do Fortaleza Esporte Clube “e” seus atletas após a partida desta quarta, 21. Este comportamento não reflete os valores éticos da torcida rubro-negra, nem está de acordo com os princípios do nosso clube, sendo sempre repugnado por nossa instituição.

O repúdio de Yuri Romão presidente do Sport:

Presidentes de clubes, federações, CBF e o governo em geral. “É” hora de acabar com isso. Já ocorreram incidentes similares envolvendo outros clubes, e amanhã poderemos ter novas vítimas. Até que ponto podemos tolerar essa atmosfera de terror, onde um simples resultado ou uma partida de futebol pode desencadear tal violência? Por conta de alguns, outros acabam sendo prejudicados.

CBF acionada

“Não tolero  mais iniciar um ano discutindo este problema sério da violência fora dos estádios.” A CBF confia no trabalho da Polícia “e” das autoridades competentes para punir  exemplarmente os responsáveis por esses atos.

Está sendo encaminhado a ocorrência ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva. “E”  se tome  medidas necessárias para investigar “e” punir os culpados. Desejamos que episódios como este sejam cada vez mais raros no cenário do futebol brasileiro.

STJD transfere para as autoridades públicas: “Como a infração ocorreu fora do estádio, o Tribunal de Futebol destaca que a competência para análise e acusação é exclusiva da Secretaria de Segurança Pública do estado.”

O STJD lamenta a ocorrência de incidentes como este no futebol brasileiro “e” reafirma seu compromisso com um futebol mais justo, livre de agressões “e” violência.

Quais as consequência desse ato?

 

Segundo Matheus Laupman, o ponto central da questão reside “é” na interpretação da Justiça desportiva sobre se o ataque ocorreu dentro ou fora da Praça Desportiva (Arena Pernambuco).

Se concluirmos que o incidente ocorreu dentro da Praça Desportiva, o Sport pode enfrentar uma multa de R$ 100 a R$ 100 mil por violação do artigo 213 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD). No que diz respeito aos torcedores, acredito que, uma vez identificados, eles devem enfrentar sanções penais relacionadas à agressão física.

Laupman descartou a possibilidade do Sport sofrer punição mais severa, como a exclusão da Copa do Nordeste.

 

O Regulamento Geral de Competições (RGC) da CBF estipula que a segurança durante a partida é de responsabilidade exclusiva das federações estaduais e do clube mandante. “Então” sendo assim, o documento não aborda “e” nem detalha sobre a segurança nas áreas externas dos estádios ou arenas esportivas, “e” nem inclui as áreas de entrada e saída.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima